Seguidores

quinta-feira, 7 de maio de 2009

A Arca da Aliança

A Arca da Aliança é um dos tesouros arqueológicos mais cobiçados por toda a humanidade.
Deus pediu a Moisés para construir a Arca e dentro dela foram colocados três objectos que, foram o testemunho da relação de Deus com o seu povo: as tábuas dos dez mandamentos, um pote de Maná e o cajado de Arão.
Maná
Segundo o livro bíblico do Êxodo: maná é um alimento produzido milagrosamente fornecido por Deus aos hebreus. Após a evaporação do orvalho formado durante a madrugada, aparecia uma coisa miúda, flocosa, como a geada, branco, descrito como uma semente de coentro, e como o bdédio (material semelhante a uma pérola produzido da resina de uma árvore), que lembrava pequenas pérolas. Geralmente era moído, cozido, e assado, sendo transformado em bolos. Diz-se que seu sabor lembrava bolachas de mel, ou bolo doce de azeite
O cajado de Arão
A rebelião, promovida por Coré, havia despertado grande desconfiança entre o povo sobre a autenticidade e a exclusividade do sacerdócio de Arão. O SENHOR portanto determinou que a sua escolha de Arão fosse provada visível e definitivamente, mediante um sinal sobrenatural. Um príncipe de cada tribo dos israelitas deveria trazer até Moisés uma vara correspondente à sua tribo, inscrita com o seu nome. Moisés recolheu as varas e pô-las no tabernáculo, diante do Senhor. Deus disse que a vara do homem escolhido floresceria. Moisés voltou no dia seguinte e achou onze varas normais. A vara de Arão, porém, brotou, produziu flores e deu amêndoas maduras. Deus claramente afirmou a sua escolha, para acabar com a rebeldia e as murmurações do povo de Israel (17:5,10).
Construção da Arca
A Arca construída em madeira de acácia tinha 111cm de comprimento, 66,6 cm de largura e 66,6 cm de altura. Era interiormente recoberta a ouro puro e exteriormente com uma bordadura em ouro. A fim de ser transportada tinha quatro argolas, duas de cada lado também em ouro. Sobre a tampa, chamada Propiciatório "o Kapporeth", foi esculpida uma peça em ouro, formada por dois querubins ajoelhados de frente um para o outro, cujas asas esticadas para frente, tocavam-se na extremidade, formando um arco, de modo defensor e protector, a figuras estavam curvados em direcção à tampa em atitude de adoração (Êxodo 25:10-21; 37:7-9). Segundo relato do verso 22, Deus se fazia presente no propiciatório no meio dos dois Querubins de ouro numa presença misteriosa que os Judeus chamavam Shekinah ou presença de Deus.

O Templo
A Arca foi colocada num templo que Davi mandou construir para o efeito e que Salomão por morte de seu pai veio a concluir. No templo, havia um recinto (chamado na Bíblia de "oráculo") de cedro, coberto de ouro e entalhes, dois enormes querubins à semelhança dos que havia na Arca, com um altar no centro onde ela repousaria. O ambiente passou a ser vedado aos cidadãos comuns, e somente os levitas e o próprio rei, poderiam chegar à sua presença
O templo foi destruído por Nabucodonosor e reconstruído no mesmo local, vindo a ser destruído novamente no ano 70 d. C. pelos romanos. Há quem afirme que o actual muro das lamentações era parte da estrutura do templo de Salomão
Simbologia
A partir do momento em que as tábuas dos Dez Mandamentos foram colocadas no seu interior, a Arca é tratada como o objecto sagrado, como a própria representação de Deus na Terra. A Bíblia relata complexos rituais para se estar na sua presença dentro do Tabernáculo.
Segundo relatos, Deus revelava-se como uma figura etérea que se manifestava sobre os querubins que esticavam suas asas sobre a Arca. Tocá-la, era um ato severamente punido, inclusive com morte instantânea, razão pela qual existiam varas para o seu transporte.
Poderes da Arca
Segundo a Bíblia os Filisteus invadiram a Palestina e levaram a Arca como despojo de guerra para o templo de Dagom em Asdolde, contudo esta ficou por muito pouco tempo, porque coisas estranhas aconteceram. A população foi assolada por moléstias e houve uma invasão de ratos. A população revoltou-se e a Arca foi enviada para a cidade de Ecron. As gentes da cidade descontentes decidiram envia-la de volta para o território de Israel sendo depois transportada para Quireate - Jearim ficando durante vinte anos aos cuidados de Eleazar.
Perdida ou Desaparecida?
A Arca foi dada como desaparecida após as invasões e destruição do Templo de Jerusalém pelo exército de Nabucodonosor cerca de 586 a.C. Até à data não se chegou a qualquer conclusão sobre o seu paradeiro. Nessa altura pode ter sido levada para a Babilónia e destruída para aproveitamento do ouro, ou conservada como troféu. Curiosamente, uma tradição apócrifa registada em 2 Macabeus 2:5 apresenta o profeta Jeremias, na época dessa destruição, retirando a arca do seu lugar sagrado com alguns homens transportando -a para o Monte Nebo em Canaã. Ai, foi depositada numa caverna que foi logo de seguida tapada. Os acompanhantes de Jeremias voltaram mais tarde para sinalizar a caverna mas não a conseguiram identificar.
Outra teoria defende que a Arca poderá estar em Aksun na Etiópia, guardada na igreja de Santa Maria do Zion. A hipótese da Arca estar na Etiópia tem origem no livro dos Reis, que trata das dinastias dos reis etíopes antes de Cristo. Nestas crónicas consta que todos os reis etíopes até aos tempos contemporâneos são descendentes do rei Salomão. Segundo as mesmas, o Rei Salomão teria tido um filho com a Rainha do Sabá, Menelik I a quem Salomão terá confiado a Arca que por sua vez a terá levado para a cidade de Ahsun, então capital da Etiópia.
E assim permanece o mistério do seu paradeiro.

Este é um tema apaixonante que tem feito correr muita tinta e foi abordado brilhantemente no cinema em “Indiana Jones and the Raiders of The Lost Ark” pelo argumentista George Lucas & Philip Kaufman, realizado por Steven Spielberg.

3 comentários:

Mariângela disse...

Olá querida Mika, adorei este post, sou apaixonada por assuntos relacionados a arqueologia bíblica.
Deus te abençoe e te use cada dia mais.
Se puder, visite meu blog http://adoracaosemlimitesmariangela.blogspot.com/

Turista de Plantão disse...

Se não existir, ao menos propicia relatos sensacionais como este seu, e atiça nossa imaginação. Se existir, um dia será descoberta e o mistério será desvendado. Em qualquer das situações, é sempre um tema apaixonante! Abraços, Nanda

EAD disse...

Esse tema é apaixonante e misterioso, gostei muito. bjs