Seguidores

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Dê-lhe sua mão


Um homem estava atolado num pântano no norte da Pérsia. Somente a cabeça ainda estava fora do lamaçal. Com toda a força, gritou por ajuda. Logo acorreu um enorme grupo de pessoas ao lugar do infortúnio. Uma delas resolveu tentar ajudar o pobre homem.

"Dê-me sua mão", gritou para ele, "eu vou tirá-lo do lamaçal."

Mas o homem que estava atolado na lama continuou gritando por ajuda e não fez nada que permitisse ao moço ajuda-lo.

"Dê-me a sua mão", o moço pediu várias vezes.

Mas a resposta era sempre o mesmo grito de desespero por ajuda.

Então outra pessoa aproximou-se e disse:

"O Senhor não vê que ele nunca lhe vai dar a mão? O senhor é que tem de lhe dar a mão. Aí então poderá salvá-lo."

Do livro: O Mercador e o Papagaio
Nossrat Peseschkian - Papirus Editora

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

É pra rir......

O homem tem imensa criatividade e do nada faz uma brincadeira. Estas imagens que já muitos conhecem, são a prova desse humor, algum mais fino outro mais grosseiro, mas muito oportuno



O Douro - património da Humanidade

O Douro belo em qualquer estação do ano

Todos temos telhados de vidro?

Assim como o homem carrega o peso do próprio corpo sem o sentir, mas sente o de qualquer outro corpo que quer mover, também não nota os próprios defeitos e vícios, mas só os dos outros.

Entretanto, cada um tem no seu próximo um espelho, no qual vê claramente os próprios vícios, defeitos, maus hábitos e repugnâncias de todo o tipo.

Porém, na maioria da vezes, faz como o cão, que ladra diante do espelho por não saber que se vê a si mesmo, crendo ver outro cão.

Arthur Schopenhauer, in 'Aforismos para a Sabedoria de Vida'

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Fernando Pessoa - Poema do menino Jesus - por Maria Bethania

Dedico ao meu neto Gonçalo, este poema de Fernando Pessoa, dito por Maria Bethânia
Poema do Menino Jesus

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Entardecer


Mar

Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.

Poema de : Sophia de Mello Breyner Andresen

Flores das dunas

Flores das dunas, fotografias tiradas na Costa Algarvia - Portugal
Clique na foto para aumentar
Clique na foto para aumentar
Clique na foto para aumentar

Deitar pérolas a porcos

Deitar pérolas a porcos é uma expressão muito usada, quando verificamos que estamos a dar o melhor de nós e não temos feedback.
Deitar pérolas a porcos quererá dizer «oferecer coisas finas, delicadas, ricas ou requintadas a pessoas rudes, ignorantes ou insensíveis.

É uma expressão com origem bíblica. No Evangelho segundo S. Mateus, cap. 7, no Sermão da Montanha, Cristo disse: "Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis pérolas a porcos, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem."


Poderá estar ainda relacionada com o Evangelho, segundo Mateus, capítulo 8, versículo 29 e seguintes: «E os demónios rogavam-Lhe, dizendo: "Se nos expulsas manda-nos entrar naquela manada de porcos". Disse-lhes Jesus: "Ide." Então eles saíram e entraram nos porcos: e eis que toda a manada se precipitou pelo despenhadeiro no mar, perecendo nas águas.»

Fonte: www.ciberduvidas.com

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

14 de Fevereiro, dia dos namorados

Poema do Amor Perfeito

Naquela nuvem, naquela,
mando-te meu pensamento:
que Deus se ocupe do vento.

Os sonhos foram sonhados,
e o padecimento aceito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Imensos jardins da insônia,
de um olhar de despedida
deram flor por toda a vida.

Ai de mim que sobrevivo
sem o coração no peito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Longe, longe, atrás do oceano
que nos meus olhos se aleita,
entre pálpebras de areia...

Longe, longe... Deus te guarde
sobre o seu lado direito,
como eu te guardava do outro,
noite e dia, Amor-Perfeito.

Cecília Meireles


O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe,
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Com papas e bolos se enganam os tolos

Mandou-me a minha amiga Gabriela este outdoor fantástico que eu não pude deixar de publicar, porque isto é markting a sério. Não há dúvida. Com papas e bolos se enganam os tolos.


sábado, 12 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A felicidade é uma coisa boa e tão delicada também

A felicidade é uma gama de emoções ou sentimentos que vai desde o contentamento ou satisfação até a alegria intensa ou júbilo. Diferentes abordagens ao estudo da felicidade e suas causas foram feitas por filosofos, psicólogos e por diferentes religiões. Os filósofos veem a felicidade como bem-estar ou qualidade de vida e não simplesmente como uma emoção. Neste sentido, a felicidade é o que os gregos antigos chamavam de eudaimonia, um termo ainda usado emética. Para as emoções associadas à felicidade, os filósofos preferem utilizar a palavra prazer. O dalai-lama Tenzin Gyatso diz que a felicidade é, para ele, uma questão de treinamento mental.

Fonte: Wikipédia


Conceitos sobre a felicidade

É difícil ser feliz; requer espírito, energia, atenção, renúncia e uma espécie de cortesia que é bem próxima do amor. Às vezes é uma graça ser feliz. Mas pode ser, sem a graça, um dever. Um homem digno desse nome agarra-se à felicidade, como se amarra ao mastro em mau tempo, para se conservar a si mesmo e aos que ama. Ser feliz é um dever. É uma generosidade.

Louis Pauwels, in "Carta Aberta às Pessoas Felizes"



O hábito de me recolher a mim mesmo acabou por me tornar imune aos males que me acossam, e quase me fez perder a memória deles. Desse modo, aprendi com base na minha própria experiência que a fonte da felicidade reside dentro de nós e que não está no poder dos homens fazer com que fique realmente desgostosa uma pessoa determinada a ser feliz. Por quatro ou cinco anos desfrutei regularmente de alegrias interiores que almas gentis e afectuosas encontram numa vida de contemplação.

Jean-Jacques Rousseau, in 'Devaneios de um Caminhante Solitário'


Antigamente todos os contos para crianças terminavam com a mesma frase, e foram felizes para sempre, isto depois de o Príncipe casar com a Princesa e de terem muitos filhos. Na vida, é claro, nenhum enredo remata assim. As Princesas casam com os guarda-costas, casam com os trapezistas, a vida continua, e os dois são infelizes até que se separam. Anos mais tarde, como todos nós, morrem. Só somos felizes, verdadeiramente felizes, quando é para sempre, mas só as crianças habitam esse tempo no qual todas as coisas duram para sempre.

José Eduardo Agualusa, in 'O Vendedor de Passados'


Feliz só será
A alma que amar.

Estar alegre
E triste,
Perder-se a pensar,
Desejar
E recear
Suspensa em penar,
Saltar de prazer,
De aflição morrer —
Feliz só será
A alma que amar.

Goethe, in "Canções


Ser feliz é encontrar força no perdão, esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros. É agradecer a Deus a cada minuto pelo milagre da vida.

Toda a poesia - e a canção é uma poesia ajudada - reflecte o que a alma não tem. Por isso a canção dos povos tristes é alegre e a canção dos povos alegres é triste.

Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.

Fernando Pessoa

O Primeiro Dia


A principio é simples, anda-se sózinho
passa-se nas ruas bem devagarinho
está-se bem no silêncio e no borborinho
bebe-se as certezas num copo de vinho
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo
diz-se do passado, que está moribundo
bebe-se o alento num copo sem fundo
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E é então que amigos nos oferecem leito
entra-se cansado e sai-se refeito
luta-se por tudo o que se leva a peito
bebe-se, come-se e alguém nos diz: bom proveito
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Depois vêm cansaços e o corpo fraqueja
olha-se para dentro e já pouco sobeja
pede-se o descanso, por curto que seja
apagam-se dúvidas num mar de cerveja
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar, sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E entretanto o tempo fez cinza da brasa
e outra maré cheia virá da maré vazia
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro
dia do resto da tua vida.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Ao desconcerto do Mundo

Hieronimus Bosch

Ao desconcerto do Mundo

Aos bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
E pera mais espantar,
Aos maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só pera mim,
Anda o mundo concertado

Luís de Camões