Seguidores

sábado, 12 de março de 2011

Protesto da Geração à Rasca - O povo saiu à rua

Como surgiu o termo " Geração Rasca"

Decorria o ano de 1994 quando Vicente Jorge Silva, director do Jornal Publico, se referiu aos jovens como "a geração rasca" num célebre editorial. A designação logo ganhou uma exponencial projecção dentro dos seus congéneres e tornou-se moda entre a classe política. Os media tornaram a expressão num rótulo para sempre associado aos jovens.

Hoje, o termo foi utilizado pelos jovens para convocar um protesto, a que chamaram "Protesto da Geração à Rasca".

O Povo está na rua. É uma manifestação histórica que decorre em todo o País, e nunca, nenhuma outra depois do 25 de Abril juntou tanta gente. Portugueses indiferentemente da sua ideologia partidária, mostraram aos nossos políticos o seu descontentamento face aos problemas financeiros que o País atravessa.

Os nossos governantes desgovernaram, e agora entendem que é o povo, sozinho, que tem que pagar a crise.

O Governo governa-se e ajuda os amigos a governarem-se, o cinto aperta, mas não para todos

os políticos




3 comentários:

Luisa L. disse...

Emília, eles já perceberam há muito o nosso descontentamento, mas como são tão "rascas", já estou mesmo a vê-los a fingir que estas manifestações nem existiram.

Oxalá eu me engane e possamos ver qualquer coisa inédita como a redução "real" dos salários dos políticos e não a demagogia que eles fizeram com uma reduçãozinha a que se sujeitaram (coitadinhos...), continuando a usufruir das ajudas de custo e regalias sociais (reformas, saúde, etc.) milionárias.

Mas como eu não acredito em milagres, muito menos no meio dos políticos, já era bom que o governo se demitisse.

Abraços

Amanda Lemos disse...

Muito interessante o blog !
Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...;

www.bolgdoano.blogspot.com

Muito Obrigada, desde já !

Beth Muniz disse...

Não entendo muito bem o que queres dizer. Mas, onde foi parar tudo isso?
"Oh, musa do meu fado,
Oh, minha mãe gentil,
Te deixo consternado
No primeiro abril,
Mas não sê tão ingrata!
Não esquece quem te amou
E em tua densa mata
Se perdeu e se encontrou.
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal!"
Beijos.