Seguidores

sexta-feira, 25 de março de 2011

O amor num bouquet de violetas

Os antigos gregos consideravam a violeta um símbolo de fertilidade e amor, utilizando-a em poções de amor





A violeta é introvertida e sua introspecção é profunda. Dizem que se esconde por modéstia.Não é. Esconde-se para poder captar o próprio segredo. Seu quase-não-perfume é glória abafada mas exige da gente que o busque.Não grita nunca seu perfume.Violeta diz levezas que não se podem dizer.


Clarice Lispector


Sarita Montiel cantando la Violetera no Filme Violetas Imperiais


10 comentários:

mc disse...

Que bonito, Mikas! :)
Saudades tuas.

Vivendo pela Palavra de Deus!!! disse...

Oi amiga vou destacar essa parte pois achei tremendo: Seu quase-não-perfume é glória abafada mas exige da gente que o busque.Não grita nunca seu perfume.

Um belo dia e um bom fim de semana.

LETÍCIA CASTRO disse...

Aiii que delicado, Emilia! Emilia, vc tem alma de violeta. :)

Quando eu era criança, amava cantar essa musiquinha (La Violetera), bons recuerdos...

Beijos!

TONY disse...

Olá Mikasmi

Adoro violetas.

Um abraço

Beth Muniz disse...

Olá querida Emilia,
Que maravilha!
Aprendi mais um pouco. Ainda bem!
Sabe, adoro violetas, e sempre procurei o seu (delas) cheiro. Agora entendo: Não é gritado. Há que se perceber...
Sarita Montiel: Uma combinação perfeita de música, idioma e violetas. Lindo.
Ah! Obrigada pelas palavras maravilhosas no seu comentário. Me revigoraram.
Bom final de semana e um beijo.
Abração.

Vera Alvarenga ... disse...

Emília, olá!
Em minha casa em Florianópolis cheguei a ter perto de 50 vasinhos de violetas, por um tempo. São realmente delicadas além de introspectivas, sensíveis, não suportam os extremos.
E as cores! eu adoro fotografá-las.Também me lembro muito da música!
Delicado seu post como são as violetas. Abraço e bom final de semana!
Vera Alvarenga

Luisa L. disse...

As violetas são flores muito delicadas e belas. O texto da Clarice Lispector define-as na perfeição!

Emília, a Sarita Montiel é uma figura da minha infância. O meu pai é fã dela! :)

Abraços!

Rangel de Jesus disse...

Olá, bom dia.
Parabéns pela postagem, está excelente, porém só não concordo muito no resumo do amor neste conteúdo, compreendo que nossa língua não dê tantas saídas para esse sentimento perfeito se expressar numa outra palavra como o faz na língua grega e outros idiomas; assim fazemos uso dela em uma série de fatores.
Sou grato pela indicação do post, um grande abraço e qualquer coisa estaremos ás ordens.

Samanta disse...

Olá Emilia !!!

Que postagem deliciosa, me trouxe boas lembranças, pois desde pequena, minha avó sempre gostou de enfeitar a casa por todos os cantos com as mais variadas Violetas !!
Todas muito delicadas e belas, alegrando a casa !!!
Lindíssimo texto de Clarice, descrevendo com perfeição estes pedacinhos da Natureza !
Um beijo e que sua semana seja maravilhosa !

Anónimo disse...

Estou encantada com o seu blogue.
Só hoje ao andar por aqui um bocado já aprendi imenso.
Vai ser consulta diária.
Adorei aquele post dos lenços de Viana, e os vários que já li sobre pintores e pintura.Gosto muito de pintura, mas percebo pouco.
O seu blogue é uma escola.

Bom fim de semana

Isabel