Seguidores

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Balada da neve



Hoje dia de Natal, veio-me à memória a “Balada da Neve”, o primeiro poema que aprendi na escola primária, um poema triste que sempre me enterneceu. Não me saiu da cabeça o dia todo, recitei-o baixinho vezes sem conta e, logo que pude, vim publicá-lo no meu blog


Batem leve, levemente,
como quem chama por mim...
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim...

É talvez a ventania;
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho...

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento, com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria...
Há quanto tempo a não via!
E que saudade, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho...

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
de uns pezitos de criança...

E descalcinhos, doridos...
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
- depois em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!...

Que quem já é pecador
sofra tormentos... enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!...
Porque padecem assim?!

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na natureza...
– e cai no meu coração.


Augusto Gil


Augusto César Ferreira Gil no Porto, 31 de Julho de advogado e poeta português viveu praticamente toda a sua vida na Cidade da Guarda onde colaborou e dirigiu alguns jornais republicanos.
Estudou inicialmente na Guarda, a "sagrada Beira", de cuja paisagem encontramos reflexos em muitos dos seus poemas e de onde os pais eram oriundos, e formou-se em Direito na Universidade de Coimbra.Começou a exercer advocacia em Lisboa, tornando-se mais tarde director-geral das Belas-Artes.
Na sua poesia notam-se influências do Parnasianismo e do Simbolismo. Influenciado por Guerra Junqueiro, João de Deus e pelo lirismo de António Nobre, a sua poesia insere-se numa perspectiva neo-romântica nacionalista.
Fonte: Wikipédia

4 comentários:

Ropiva disse...

Um poema triste, mas ao mesmo tempo belo.
Obrigado por compartilhar conosco, Emilia.

Abraços

EAD disse...

Acho que essas recordações da infãncia são muito valiosas. Já tinha ouvido falar desse poeta. Achei belíssimo o poema e a tua recordação também. bjs

Edegard disse...

Emilia
Poema singelo e belo apesar da tristeza contida.
Um Feli Ano Novo com muito carinho,paz,harmonia e que O Senhor ilumine seu caminho todos os dias de 2009.
Um grande abraço a você e seus familiares

kmMad disse...

Olá Emília. Este poema é como o seu blogue. Bate leve, levemente, sempre com bons artigos. excelente escolha. Parabéns.